Amores Virtuais

Segundo alguns dados sobre as causas de separação ou divórcios da vida real, recaem sobre as interações afetivas nos mundos virtuais.

Nos EUA, segundo alguns especialistas no ramo de divórcios, 80% dos casos de separação originaram-se no mundo cibernético.

Na França, 50% dos casos de divórcio, aconteceram por conta das interações em redes sociais.

Todas essas informações nos levam a refletir, que devido essas marcas serem tão expressivas, deveriam ser tratadas com mais responsabilidade e importância, afinal de contas, esses dados não podem ser considerados comuns.

E dessa reflexão, nos vem o questionamento, sobre o que faz o mundo virtual ser um local tão fecundo para que esses fatos ocorram? Será que estamos tão saturados dos relacionamentos reais, e a nossa incompetência em administrá-los, nos faz optar por amores virtuais? Ou estaríamos nos sentindo tão tímidos, sozinhos, tornando a virtualidade um caminho mais eficaz, resolvendo as dificuldades e inquietudes do nosso dia a dia?

Esses questionamentos são possíveis, no entanto, não acredito poderem ser a causa.

O fato é que, nos relacionamentos no mundo real carregamos conosco ferramentas importantes que nos permitem identificar além daquilo que vemos; o que sentimos, pelo tom de voz, a medida da inteligência, da sensibilidade, do humor, enfim, temos informações reais, concretas e sensoriais.

No mundo virtual enfrentamos a ausência do concreto, pois, por mais que consigamos algumas informações reais, e isso quando cada um dos envolvidos age de forma verdadeira e sincera; o não ter a presença física do outro, nos leva ao caminho da idealização, na tentativa de preencher as informações ausentes sobre o outro. E é claro, que nesse processo, nos deixamos levar por nossos próprios desejos pessoais, e com isso, corremos o risco de criarmos uma imagem do outro daquilo que queremos para nós, e não daquilo que realmente é. Visto que abrimos um canal direto baseado em nossos sonhos, carências, expectativas, e pela nossa capacidade de fantasiar e projetar a pessoa ideal. Ou seja; os amores virtuais tornam-se o reflexo de todas as nossas ambições afetivas não vivenciadas ainda; e talvez isso explique, porque muitos desses amores são tão sedutores, arrebatadores e hipnotizantes.

Desde pequenos somos estimulados ao sonho, através dos livros infantis, das histórias de princesa e príncipes, dos famosos finais felizes, e querendo ou não, isso exerce sobre nós uma forte influência no processo de desenvolvimento de nossa psicologia pessoal.

E é bom que se ressalve, que nem a maturidade nos torna imune às viagens ao um mundo fantasioso, realizando de forma plena o poder do sonho.

A internet nos proporciona, de forma eficaz, eficiente e com muito talento, abrirmos a nossa caixa de pandora enterrada em nosso interior. E nem sempre conseguimos resistir à tentação de vivenciar um amor sem medos e desinibições ao comprometer muitas das vezes, anos de experiências e momentos não vivenciados.

Em um mundo real com tantos dissabores, onde quase sempre somos tolhidos de sermos quem realmente somos, ou de assumirmos papéis que gostaríamos de experimentar, os mundos virtuais são nossos aliados para que tudo aconteça. Resta-nos apenas sabermos diferenciar entre um e outro e nos acostumarmos, que embora um sonho pode se tornar realidade; a realidade não pode ser tratada como um sonho.

 

Tania Lacerda.

Esta entrada foi publicada em Dicas. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *